06 dez 2019 Central do Estudante

High School no Canadá – Dicas para você fazer o seu

Ana Carolina Ribeiro, gerente de intercâmbio da Central do Estudante dá sugestões para você transformar o seu sonho em realidade

High School Canadá

Ana Carolina Ribeiro, gerente de intercâmbio da Central do Estudante, em Toronto, Canadá (Foto: Divulgação)

O High School no Canadá é o programa mais desejado pela grande maioria dos estudantes brasileiros. A explicação é bem simples. A qualidade do ensino no país e a qualidade de vida do próprio país são algumas das muitas razões que fazem os jovens sonharem com o Canadá. Mas a gente sabe que, para tornar um sonho em realidade é preciso percorrer um longo caminho. E quando o assunto é High School ou qualquer outro Programa de Educação Internacional, segurança é a palavra chave para nortear o seu caminho.

Para falar sobre High School no Canadá o Blog da Central do Estudante convidou a Ana Carolina Ribeiro, gerente de intercâmbio da Central do Estudante, que tem um amplo conhecimento sobre o assunto

Ana, antes de começarmos nosso bate-papo, obrigada por ter aceitado o convite para passar suas preciosas dicas aos nossos leitores. E já entramos direto no assunto. Pais e filhos têm hoje uma consciência mais apurada da importância de se fazer um programa de High School no exterior?

Têm sim. O mundo está cada vez mais internacionalizado e a tecnologia, nos trouxe mais conhecimento sobre outros países, culturas e oportunidades. As novas gerações sabem da importância de conhecerem outras formas de pensar e adquirirem outro idioma como forma de ampliar horizontes.

Na maioria dos casos, quem entra em contato primeiro com a Central do Estudante: os pais ou os filhos?

Os pais ainda tomam a frente na maioria das vezes, mas tenho percebido uma pró atividade de muitos jovens.

É uma frase clássica dizer que todo estudante volta diferente de um programa High School. O que sua experiência no assunto diz sobre essa frase?

Sair da zona de conforto, por si só, já é um grande desafio. Morar em outra casa, vivenciar um outro clima, experimentar outra comida, aprender outro idioma e conviver com outras pessoas, transforma a nossa forma de ver o mundo. Geralmente, voltamos mais gratos ao que temos, mais responsáveis por nós mesmos pois acabamos tendo que resolver a nossa própria vida no exterior, sem interferência direta dos pais. Geralmente voltamos com um senso de responsabilidade mais apurado e com vontade de mudar o nosso país/mundo para melhor.

Segundo a Belta, o Canadá tem sido nos últimos anos o país mais procurados por quem quer fazer um High School. Por que o país atrai tanto o jovem brasileiro?

Porque o Canadá além de ser um lindo país, é seguro e desenvolvido. As instituições funcionam e os canadenses são amigáveis e diplomáticos. O Canadá é uma país de imigração que abriu possibilidades para pessoas de várias nacionalidades se desenvolverem. Então, acredito que os brasileiros se sintam bem com isso. Os estudantes também podem escolher a cidade que vão morar. Assim, muitos adolescentes optam por cidades médias, mas muito bem estruturadas e com boas opções de entretenimento.

O último relatório do Pisa (Programme for International Student Assessment*) mostrou que os alunos canadenses estão muito acima da média em relação a outros estudantes internacionais. Investir na qualidade da educação é também um fator de decisão na hora de escolher o país do High School?

Acredito ser um valor importante, mas não determinante para todas as famílias. Muitas famílias entendem que a experiência em si, já é bastante enriquecedora. O ensino canadense é diferente do ensino brasileiro e do ensino europeu. Eles desenvolvem os alunos de uma forma mais ampla, mesclando parte acadêmica com desenvolvimento humano e técnico. Talvez por terem essas possibilidades de experimentarem mais coisas, de descobrirem talentos dentro da escola, os canadenses se destaquem.

Ser um país bilíngue também é um diferencial?

Não é algo determinante pois apenas em uma parte do Canadá, se fala francês e inglês. Atualmente, a procura ainda é muito maior pelo lado inglês do que pelo lado francês.

Quais as cidades mais procuradas no Canadá para fazer o programa High School?

Sem dúvida, a região de British Columbia, aonde estão cidades como Vancouver, Victória e Abbotsford.

Além das cidades mais procuradas, existem outras que a Central do Estudante recomenda? E por quê?

Sim, existem. Sempre analisamos o perfil do aluno. Se ele quer ter mais contato com pessoas locais ou mais contato com outros estrangeiros incluindo brasileiros, se ele é mais independente ou mais caseiro, se ele prefere natureza ou centros urbanos. Assim, vamos montando um perfil e indicando as cidades que acreditamos serem adequadas para o sucesso do intercâmbio do aluno.

A partir do 1º contato com a Central do Estudante como se dá e processo e quais as respectivas etapas até o momento de o jovem embarcar para o Canadá?

Uma conversa inicial com os responsáveis e com o aluno é extremamente importante. Ela serve para analisarmos o perfil da família, entendermos as expectativas, os medos e anseios. Depois, fazemos uma entrevista individual com o aluno e um teste de inglês. Dessa forma, conseguimos direcionar os estudantes para os locais mais adequados.

Com a cidade definida, partimos para a matrícula e o preenchimento da documentação necessária. Teremos assim um perfil completo do aluno. Essa documentação será enviada para o programa canadense.

Os trâmites legais são realizados no Canadá. A família e a escola onde o estudante vai ficar é definida. No Brasil, fazemos as reuniões de preparação para pais e alunos. Ao final desse processo, o aluno embarca. O ideal é dar início ao processo de matrícula, com 1 ano de antecedência.

Qual a melhor época para embarcar e qual a duração do programa?

O ano letivo no Canadá, começa em setembro. Então, essa é a época ideal. Mas alguns alunos optam por começar em janeiro e fazer um semestre retornando em julho. O programa pode ter duração de 1 semestre, 1 ano letivo ou todo o ensino médio.

Já no Canadá, como é o apoio da Central do Estudante ao jovem, e à sua família, no Brasil?

Nosso suporte se inicia já na 1ª conversa e termina após a chegada do aluno ao Brasil. Temos inclusive uma reunião de retorno aonde os alunos compartilham a experiência vivida.

Toda a empresa se envolve com o processo de High School, mas temos um departamento próprio, com profissionais dedicados a darem suporte aos pais e alunos durante o intercâmbio.

*O Pisa é uma pesquisa feita a cada 3 anos, com estudantes de 15 anos que avalia até que ponto eles adquiriram os conhecimentos e habilidades essenciais para uma participação plena na sociedade. A avaliação se concentra na proficiência em leitura, matemática, ciências, em um domínio inovador (em 2018, o domínio inovador era a competência global) e no bem-estar dos alunos.
blog by

Claudia Tonaco

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *