Inglaterra

A realeza é o rock e a Inglaterra é pop

Diversidade. Pode não parecer num primeiro momento, mas essa é a melhor palavra para descrever a Inglaterra.

Afinal, não é qualquer lugar que é famoso tanto pela monarquia, quanto pelo futebol, pelos grupos de rock, pelos pubs e por ser o pioneiro no processo de industrialização. Quando você pensar que o país é muito formal, pense de novo. A Inglaterra é muito plural.

Londres, a capital, é a cidade mais eclética. Se tem os palácios de Buckingham e Kensigton, museus como o Tate Modern e o Victoria and Albert, também tem o Big Ben, a London Eye, os grafites do descolado bairro de Shoreditch e estádios famosos como Wembley.

Isso sem falar em pontos de peregrinação de turistas pelos frequentadores famosos, como as casas de Eric Clapton e Amy Winehouse, o pub Sticky Fingers (do ex-baixista dos Rolling Stones, Bill Wyman) ou a Abbey Road, rua que virou nome de disco dos Beatles e cenário da famosa capa, reproduzida à exaustão pelos visitantes.

Stonehenge, em Salisbury, guarda um dos mistérios da humanidade. Até hoje não se sabe ao certo se o monumento de pedras, construído há mais de cinco mil anos, é um cemitério, um relógio astronômico ou um templo religioso.

Logo ao lado da capital há praias e cidadezinhas pitorescas, como Brighton e Eastbourne. A estudante Elisa Assis morou cerca de cinco meses na última, quando cursava parte do ensino médio na Inglaterra, e adorou a escolha feita em conjunto com a Central do Estudante.

“É uma cidade fofa, conhecida como a Sunshine Coast.”

A segurança é um dos pontos destacados por Elisa. Ela circulava a pé, de trem ou de ônibus por toda a região.

Bruno Varella também caminhava tranquilo por Bristol. O aluno de ciências da computação pediu o auxílio da Central para fazer um curso de inglês durante oito semanas no país e gostou da variedade do lugar onde morava.

“A cidade é muito interessante para quem vai fazer esse tipo de programa porque é universitária. Tem bastante coisa para fazer, muito bar, muita boate, mas também tem vários programas culturais, museus…”

Liverpool é outro ponto imperdível da Inglaterra. Além de todos os marcos relacionados aos Beatles, como o Cavern Club (bar em que eles começaram a carreira) ou o The Beatles Story (museu dedicado à banda), tem o estádio do time que leva o nome da cidade, a catedral e outras atrações.

A 40 minutos dali fica Chester, com um passado medieval que deixou de herança uma muralha e o maior anfiteatro romano do país.

Clima

Temperado Oceânico

Território

130.395 km²

Idioma

Inglês

Fuso Horário

(UTC +0 e +1)

População

53.012 milhões

C.Telefônico

+ 44

Voltagem

230 V (ver tomada aqui)

Moeda

Libra (‎‎£)

Feriados

01/01 - Ano Novo
- Semana Santa (da sexta-feira à segunda-feira de Páscoa)
23/04 - Dia da Inglaterra
- Dia do Trabalhador (1ª segunda-feira de Maio)
- Chegada da Primavera (última segunda-feira de Maio)
- Chegada do Verão (última segunda-feira de Agosto)
25/12 - Natal
26/12 - Boxing Day

Cultura

Foram as tribos germânicas que habitaram a região durante a Alta Idade Média que deram origem ao nome. England (Inglaterra em inglês) vem de Engla Land, que significa a ‘Terra dos Anglos” na forma antiga da língua. Antes da chegada deles, no entanto, o território já tinha sido ocupado. O fóssil humano mais velho descoberto na Inglaterra tem mais de 700 mil anos.

Como a Índia foi colônia inglesa até 1.947, há muitos imigrantes dessa nacionalidade no país.

Os ingleses são muito pontuais, têm uma postura reservada e tratam as pessoas de maneira muito polida, mas, segundo Bruno e Elisa, também são amigáveis.

O humor sarcástico e autodepreciativo é outra característica da população.

Os criadores do futebol também são fãs de rugby, críquete, tênis e golfe.

Artistas ingleses se destacaram principalmente na música, no teatro e na literatura. Shakespeare é a referência para as peças de teatro mais conhecidas no mundo. Assim como Rolling Stones, Beatles e Sex Pistols são imediatamente lembrados quando falamos em rock.

Gastronomia

A batata é um dos itens mais consumidos do cardápio inglês. Pratos famosos como fish and chips, shepard pie ou bangs and mash têm o ingrediente. Os peixes empanados são acompanhados por fritas; a torta recheada de carne tem batata na massa e as salsichas são servidas com ervilhas e purê.

O rosbife e o bife Wellington também nasceram ali. Ao contrário do Brasil, onde é sempre feito com carne de boi, o rosbife em terras inglesas também pode ser de porco, cordeiro ou peru. O Wellington é uma peça de filé mignon envolta em massa folhada.

A cultura dos pubs é muito forte em todo país e a cerveja é uma das bebidas preferidas.

Tomar chá no lugar do café, inclusive com leite, é um costume comum. Tanto que eles têm a tradição do chá das cinco, lanche da tarde com chá, leite, bolos e biscoitos servido às 17h.

Compras

Duas lojas de departamento, a Harrods e a Selfridges, são muito famosas em Londres. A Oxford e a Regent Street são ótimos pontos para quem quer circular a pé enquanto faz compras.

A Primark é uma rede popular com preços baixos que está por toda parte.

O maior outlet é o Cheshire Oaks, a 16 km de Chester, e o mais próximo da capital é o Bicester Village, que fica a cerca de 1h de trem.

Além de chás, cervejas artesanais, gim e biscoitos amanteigados são boas opções de lembranças.

Dicas

Na Inglaterra é comum dar gorjetas a garçons e taxistas. O valor fica entre 10% e 15% do total.

O mercado de Brick Lane é uma ótima alternativa para quem gosta de feirinhas.

A Savile Row é a rua dos alfaiates em Londres. O smoking foi criado ali, em 1846.